Recent readings: Manfred – act III end of scene I – Lord Byron

Abbot. This should have been a noble creature: he
Hath all the energy which would have made
A goodly frame of glorious elements,
Had they been wisely mingled; as it is,
It is an awful chaos—light and darkness,
And mind and dust, and passions and pure thoughts,
Mix’d, and contending without end or order,
All dormant or destructive. He will perish,
And yet he must not; I will try once more,
For such are worth redemption; and my duty
Is to dare all things for a righteous end.
I’ll follow him—but cautiously, though surely. [Exit ABBOT.

O LIVRO DAS IMAGENS, Rilke

Solidão

A solidão é como uma chuva.
Ergue-se do mar ao encontro das noites;
de planícies distantes e remotas
sobe ao céu, que sempre a guarda.
E do céu tomba sobre a cidade.

Cai como chuva nas horas ambíguas,
quando todas as vielas se voltam para a manhã
e quando os corpos, que nada encontraram,
desiludidos e tristes se separam;
e quando aqueles que se odeiam
têm de dormir juntos na mesma cama:

então, a solidão vai com os rios…

A Canção do Suicida

Só mais um momento.
Que voltem sempre a cortar-me
a corda.
Há pouco estava tão preparado
e havia já um pouco de eternidade
nas minhas entranhas.

Estendem-me a colher,
esta colher de vida.
Não, quero e já não quero,
deixem-me vomitar sobre mim.

Sei que a vida é boa
e que o mundo é uma taça cheia,
mas a mim não me chega ao sangue,
a mim só me sobe à cabeça.

Aos outros alimenta-os, a mim põe-me doente;
compreendei que há quem a despreze.
Durante pelo menos mil anos
preciso agora fazer dieta.

Recordação

E tu esperas, aguardas a única coisa
que aumentaria infinitamente a tua vida;
o poderoso, o extraordinário,
o despertar das pedras,
os abismos com que te deparas.

Nas estantes brilham
os volumes em castanho e ouro;
e tu pensas em países viajados,
em quadros, nas vestes
de mulheres encontradas e já perdidas.

E então de súbito sabes: era isso.
Ergues-te e diante de ti estão
angústia e forma e oração
de certo ano que passou.           

Rainer Maria Rilke, in “O Livro das Imagens”
Tradução de Maria João Costa Pereira

FAUSTO, Goethe -melhores momentos

“Que vida! angústias sempre: ora a almejar por gozo,
ora inquieto na posse, e do almejar saudoso!

(…)

Mudar de pele não muda interior. Com quaisquer trapos
há-de ir comigo o meu viver terrestre.
Já sou velho de mais para brinquedos,
e para descartar-me de cobiças
inda muito rapaz. Que há nesse mundo
que me possa atrair? Priva-te! Abstém-te!
Eis o eterno refrão com que nos quebram
o bichinho do ouvido a toda a hora.
De manhã, quando acordo, é sempre aflito
e ansioso de chorar, pela certeza
de que o dia que enceto é, como os outros,
incapaz de cumprir-me um só desejo,
nem um só. Pois se eu sei que a expectativa
do mínimo prazer já chega eivada
de sua improbação, e cada almejo
do meu férvido sangue há-de ir gelar-se
ante as carrancas do viver prosaico!
À noite é-me forçoso entrar num leito
onde já sei me aguarda o labirinto
da turbulenta insónia, e, se olhos cerro,
medonho pesadelo! O Deus que me enche
rege-me a seu talante, influi, domina
té o âmago mais fundo o meu composto.
E tamanha potência nada pode
fora de mim nos mínimos objectos!
Dura carga é viver! quem dera a morte!
(…)
— Feliz o herói que, na embriaguez da glória,
no instante mesmo em que lhe pega os loiros
com sangue hostil nas fontes a vitória,
cai fulminado ao silvo dos peloiros!
— Feliz o amante que depois do enleio
de louca dança, e no auge do delírio,
súbito expira no adorado seio,
e antes da morte vislumbrou o Empíreo!
— E feliz eu, se quando, face a face,
logrei tratar com génio alto e possante,
nesse extra-vida glorioso instante
morte improvisa os dias meus soprasse!

(…)

Entendamo-nos bem. Não ponho eu mira
na posse do que o mundo alcunha gozos.
O que preciso e quero é atordoar-me.
Quero a embriaguez de incomportáveis dores,
a volúpia do ódio, o arroubamento
das sumas aflições. Estou curado
das sedes do saber; de ora em diante
às dores todas escancaro nesta alma.
As sensações da espécie humana em peso,
quero-as eu dentro de mim; seus bens, seus males
mais atrozes, mais íntimos, se entranhem
aqui onde à vontade a mente minha
os abrace, os tateie; assim me torno
eu próprio a humanidade; e se ela ao cabo
perdida for, me perderei com ela.

(…)

Sê mulher! impõe-te dominá-lo!
Consente que este olhar que em ti se está cravando,
consente que estas mãos às tuas abraçando,
te expressem mudamente o que de mim tens feito,
o que nem cabe em voz, nem cabe já no peito;
permite-me engolfar-me em bem-aventurança,
num afecto sem fim, sem quebra nem mudança,

eterno… sim, que a ser menor que a eternidade,
seria o desespero, o nada. Este não há-de,
não pode já ter fim; jamais, jamais.

(…)

MEFISTÓFELES

Tomara ser passarinho.
para ir ter onde eu desejo;
depressa formara as asas,
que as penas são de sobejo.

Nisto de sol a sol consome os dias;
nisto de sol a sol desvela as noites.
Se alguma rara vez lhe assoma às faces
vislumbre de alegria, as mais das vezes
de mortal pesadumbre as tem nubladas;
ora mostra no rosto mal enxuto
sinais de ter chorado, ora parece
a poder de cansada estar serena…
mas sempre namorada.

FAUSTO

Ah, cobra, cobra!

 

(…)

MARGARIDA, só, fiando na roca, e cantando

Sinto o coração pesado.
Dias de paz, onde estais?
Ai, descanso abençoado,
nunca, nunca, nunca mais!

Inda não quitei a vida,
e já ’stou na sepultura.
Quem nasceu tão sem ventura,
melhor não fora nascida.

Trago esvaído o juízo,
o coração como louco.
Sempre durastes bem pouco,
horas do meu paraíso.

[312]

Sinto o coração pesado.
Dias de paz, onde estais?
Ai, descanso abençoado,
nunca, nunca, nunca mais!

Canso a buscar-te por fora;
canso à janela a esperar-te,
sem ver em nenhuma parte,
nem saber quem te demora.

Que nobre andar! que figura!
que olhar! que riso! e que boca,
donde eu sentia já louca
jorrar caudais de doçura

E aquela mão, que inda vejo
a apertar convulsa a minha
o fogo que ela não tinha!
E o beijo! oh meu Deus, o beijo!

Sinto o coração pesado.
Dias de paz, onde estais?
Ai, descanso abençoado,
nunca, nunca, nunca mais!
[313]

Onde estás, que me esvoaço
por colher-te? onde…? não sei.
Se outra vez a ti me abraço,
das angústias que hoje passo
como então me vingarei!

(Levantando-se, e declamando com veemência.)

Prendo-te ao seio,
já sem receio
de te perder.
Farto os desejos
de toda em beijos
me desfazer.

(…)

PROCTOFANTASMISTA

Na própria cara
vo-lo repito, Espíritos! Não sofro
a Espíritos ser déspotas; e a causa
é que déspota ser não posso eu mesmo.

(Continuam a dançar)

Tudo hoje me sai torto. Paciência!
Aldemenos, fiz mais esta Viagem.
E antes que faça a última, inda espero
vencer alfim diabos e poetas.

 

(…)

MARGARIDA (cantando em delírio)

Nasci de uma perdida.
Gerou-me um salteador.
A mãe roubou-me a vida.
O pai tragou-me em flor.
Saltou-me a irmã vizinha
do fresco seu coval;
mudou-me em avezinha
no agreste matagal;
fugi da terra feia;
vim ser feliz no ar;
aqui só me recreia
voar, voar, voar.

“De Profundis” de Oscar Wilde: breves passagens

“Estará a tua imaginação a despertar da longa letargia em que repousa? Já sabes o que é o Ódio. Começarás a compreender o que é o Amor, e qual é a natureza do Amor?”

“Julgo que o que eles amam não é a Arte

Que quebra o cristal do coração de um poeta

Aqueles olhos pequenos e viciosos podem irritar-se ou deliciar-se.”

“A faculdade «por meio da qual e apenas por meio da qual somos capazes de compreender os outros nas suas relações reais ou ideais», tinha sido enfraquecida pelo teu estreito egoísmo, e a sua longa falta de uso tinha-a tornado indisponível”

“Dentro de nós o tempo não progride. Regressa. Parece circular à volta de um centro de dor.”

“Nunca, nem mesmo nos dias mais perfeitos do meu desenvolvimento como artista, teria eu sido capaz de ter palavras que se adequassem a um tão grande fardo, ou que se movessem com suficiente majestade musical no meio do púrpuro espectáculo da minha incomunicável mágoa.”

“As folhas de louro morrem quando são apanhadas por mãos idosas. Só a juventude tem o direito de coroar um artista. Esse é o verdadeiro privilégio da juventude, se a juventude o conhecer.”

“Não há nenhuma coisa viva no mundo do pensamento ou do movimento em relação à qual a Dor não vibre em pulsação terrível, ainda que extraordinária.”

“Onde há Dor, o chão é sagrado. Um dia compreenderás o que isto significa. Não saberás nada da vida enquanto não o compreenderes.”

“O primeiro volume de poemas que, na Primavera da sua virilidade, um jovem lança para o mundo, devia ser como uma flor na Primavera, como o espinho branco no prado em Magdalen, ou como os malmequeres nos campos de Cumnor. Não deve pesar sobre ele o peso de uma tragédia terrível e revoltante, de um escândalo terrível e revoltante.”

“Há um tacto no amor e um tacto na literatura – tu não foste sensível a qualquer deles.”

“A cegueira pode ser levada tão longe que se torne grotesca, e uma natureza pouco imaginativa, se não se fizer alguma coisa para a despertar, ficará petrificada numa absoluta insensibilidade, de tal modo que, enquanto o corpo pode comer, beber, e ter os seus prazeres, a alma, de que é casa, pode, como a alma de Branca d’Oria em Dante, estar absolutamente morta.”

“Tratei a Arte como a realidade suprema, e a vida como um mero modo de ficção; despertei a imaginação do meu século de tal maneira que ela criou mitos e lendas à minha roda; resumi todos os sistemas numa frase, e toda a existência num epigrama”

“O que o paradoxo era para mim na esfera da paixão, tornou-se para mim a perversidade na esfera da paixão”

“Estou mais individualista do que alguma vez fui. Nada me parece ter o mais pequeno valor, excepto aquilo que retiramos de dentro de nós. A minha natureza procura um novo modo de auto-realização”

“Quando penso acerca da religião, sinto que gostaria de fundar uma ordem para aqueles que não são capazes de crer; poder-se-ia chamar a Confraternidade dos Sem Pai, onde, num altar, no qual não ardesse qualquer lamparina, um sacerdote, em cujo coração não habitasse  a paz, pudesse celebrar com um pão amaldiçoado e um cálice vazio de vinho”

“A Verdade na Arte não é uma correspondência entre a ideia essencial e a existência acidental (…) tal como não é o poço de água prateada existente no vale que mostra a Lua à Lua e Narciso a Narciso”

“Fracasso, desgraça, pobreza, dor, desespero, sofrimento, lágrimas mesmo, as palavras entrecortadas que provêm dos lábios da mágoa”

contemplar o espectáculo da vida com as emoções adequadas, que é aquilo que Wordsworth define como verdadeira finalidade do poeta”

“Quando entramos em contacto com a alma, isso torna-nos mais simples como crianças, como Cristo disse que devíamos ser.”

“Quanto ao Altruísmo, ninguém melhor do que ele sabia que que é a vocação e não a volição que nos determina, e que não podemos tirar uvas de espinhos nem figos de cactos”

“Mas, embora Cristo não tenha dito aos homens, Vivei pelos outros, afirmou que não havia diferença entre as vidas dos outros e a nossa vida”

“Todas as obras de arte são o cumprimento de uma profecia. Pois todas as obras de arte são o cumprimento de uma profecia. Pois todas as obras de arte são a conversão de uma ideia numa imagem”

“não tinha influência sobre ti para conseguir que não me perturbasses, como se deve fazer a um artista”

“detestava que olhasses para mim como uma pessoa útil, modo como nenhum artista deseja ser visto ou tratado; sendo os artistas, tal como a própria arte, inúteis por essência”

“Quanto a ti, só me resta dizer uma última coisa. Não tenhas medo do passado. Se as pessoas te disserem que é irrevogável, não acredites nelas”

Onde outros, diz Blake, nada mais vêem do que a Madrugada a aparecer sobre o monte, eu vejo os filhos de Deus gritarem de alegria

 

in De Profundis, Oscar Wilde.

GJ

 

 

“O amor é alimentado pela imaginação”

Em ti, o Ódio foi sempre mais forte do que o Amor. O teu ódio pelo teu pai era de tal maneira grande que excedia, vencia e ofuscava completamente o teu amor por mim. Não havia qualquer batalha, ou, se havia, era pequena, entre eles; de tais dimensões, de tamanho tão monstruoso era o teu Ódio. Não percebias que não há lugar para essas duas paixões na mesma alma. Não podem viver juntas nessa pequena morada esculpida. O amor é alimentado pela imaginação e, por meio dele, tornamo-nos mais sábios do que nos sabemos, melhores do que nos sentimos, mais nobres do que somos; por meio dele podemos viver a Vida como um todo; por meio dele e apenas por meio dele, somos capazes de compreender os outros nas suas relações reais e ideais. Só aquilo que é excelente, e excelentemente concebido, pode alimentar o Amor. Mas qualquer coisa pode alimentar o Ódio. Não houve nenhuma taça de champagne que tenhas bebido, nenhum prato que tenhas comido naqueles anos, que não tenha alimentado o teu Ódio, fazendo-o engordar.

(…)

O Ódio cega as pessoas. Tu não tinhas consciência disso. O Amor pode ler o que está escrito na mais longínqua estrela, mas o Ódio cegou-te de tal maneira, que já não eras capaz de ver para além do estreito, murado, e já seco pela luxúria, jardim dos teus desejos vulgares. A tua terrível falta de imaginação, o único defeito realmente fatal do teu carácter, resultava inteiramente do Ódio que vivia em ti.

(…)

Aquela faculdade que o Amor podia ter acalentado, foi envenenada e paralisada pelo Ódio.

 

in De Profundis, Oscar Wilde

Da arte e da morte -Miyamoto Masao – episódio tya no yu

“tya no yu – etiqueta de preparar e beber chá, também chamada cerimónia do chá ou culto do chá. O chá é conhecido no Japão desde 729, mas o tya no yu teve origem na severa disciplina dos mosteiros zen. O seu pai foi Syukô (1423-1502). Os seus princípios foram elaborados por Zyô (1503-1555) e aperfeiçoados por Rikyû.”

in DA ARTE E DA MORTE, Miyamoto Masao

“Quando reapareceu aos três convidados, que estavam sentados na sala de chá, no seu rosto ninguém podia ler qualquer intranquilidade ou agitação. Estava igual a todos os dias normais. Voltou a saudá-los com uma inclinação da cabeça e primeiro pegou numa pequena bandeja e dela tirou um bule, que colocou à sua esquerda. Depois, abriu um saco de brocado* dourado, limpou a bandeja e voltou a colocar o saco no lugar. Em seguida, pegou com ambas as mãos numa mesinha, sobre a qual se encontrava uma taça, um pano, um batedor e uma colher, e colocou-a diante dos joelhos. Com o pano, limpou a colher e voltou a colocá-la na bandeja. Pôs o batedor atrás do pequeno lavabo. Pegou neste e colocou-o junto ao pires. Tirou então uma colher grande da prateleira e passou-a à mão esquerda, e, com o pano da direita, tirou a tampa do bule. Agora, puxou um pouco para si a mesinha, meteu uma colher de água na chávena e lavou-a. De novo meteu meia colher de água na chávena e limpou-a com o batedor, e a chávena, juntamente com o batedor, foi colocada em frente do fogão. Em seguida, limpou a mesinha com um pano e colocou sobre esta a chávena. Com a mão direita pegou no bule e entregou-o à mão esquerda. Com três dedos, tirou a tampa do bule e colocou-a numa ponta numa ponta da bandeja; e pôs três colheres de chá na chávena, na qual verteu água. Após ter batido bem a chávena, propô-la primeiro ao principal convidado”

in A ÚLTIMA SESSÃO DE CHÁ, Da Arte e da Morte, Miyamoto Masao

*brocado é um tipo de tecido ricamente decorado, feitos em seda colorida, e com relevos bordados geralmente a ouro ou prata.

GJ